sábado, 22 de dezembro de 2012

Banksy: política, poética, transgressão

Banksy é um transgressor. Tive a felicidade de adquirir um livro com obras suas: "Banksy, guerra e spray", ou algo assim, e creio que foram os 50 merréis mais bem gastos dos últimos tempos, fora um ingresso para um abrigo subterrâneo para escapar dos que acreditavam no calendário maia.
Sua obra, grafitagem através de estêncil, desfila provocação, política, aversão ao poder, surrealismo, visão poética de mundo, originalidade, criatividade, lirismo, beleza, humor cínico e inteligente.
Compre. 
Esqueça os 50 tons de Grecin 2000.
E pesquise as imagens dele por aí.
Algumas, eu empresto.
De grátis.

5 comentários:

  1. Esse cara é simplesmente genial...Gostei foi da imagem da Monalisa,segurando um lança míssel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade....ela virou um bin laden depois...kkkk

      Excluir
    2. verdade....ela virou um bin laden depois...kkkk

      Excluir
  2. Gênio, mas que muitos dos ditos artistas "pós-modernos".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade....sem autoproclamações...é o cara...

      Excluir