terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Incertidão de Óbito- Um poema de Mia Couto




ultradownloads.com.br


                           
                                   
           Quando forem de pedra
                                        os teus olhos:
                                        uns te darão por falecido.

                                        Quando forem de fogo
                                        os insetos que te devoram:
                                        talvez então te digam defunto.

                                        Mas nem pedra nem fogo
                                        te darão ausência
                                        no teu ombro
                                        pousa o voo dos regressos

                                        A vida
                                        é um prematuro sonho

                                        Só morre
                                        quem nunca viveu

                                                                       Mia Couto

                                                     
 Do livro "Vagas e Lumes"

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Golden Hair

          Syd Barret, mergulhado em um universo só seu, agarra-se a âncoras que o prendam a este mundo.
          Frágeis amarras, frágil mente, frágil vida.
          Quem seria a "Cabelos Loiros"?
           Quem será "Cabelos Loiros"?

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Desaparecimento das Abelhas

                                                         by atitudesustentavel.com.br
                    Estudos sérios apontam para a alarmante e angustiante tendência do desaparecimento das abelhas.
                    Monocultura, agrotóxicos, herbicidas (leia-se Roundup e assemelhados), poluição, queimadas intensivas, desmatamento, expansão urbana, as causas são várias e conhecidas, e reiteradamente expostas na mídia.
                    Só que isso denota atitude suicida de nossa espécie, tão empenhada em acumular bens, po$$uir bolsas Vuiton e comer mortadela incrustrada de diamantes, pois, sem abelhas não há flores,nem alimento,  primavera, poesia,ou mel. Sem abelhas não há vida.
                   Durma (para sempre) com um barulho desses.

sábado, 26 de setembro de 2015

"Blue Bird" , ou a velha batalha entre o que se faz , os ideais e os sonhos


                                                         by hiperativo cultural



                                        O Pássaro Azul

               Há um pássaro azul no meu coração
               que quer sair
               mas eu sou demasiado duro para ele,
               e digo, fica aí dentro,
               não vou deixar
               ninguém ver-te.
               há um pássaro azul no meu coração
               que quer sair
               mas eu despejo whisky para cima dele
               e inalo fumo de cigarros
               e as putas e os empregados de bar
               e os funcionários da mercearia
               nunca saberão
               que ele se encontra
               lá dentro.
               há um pássaro azul no meu coração
               que quer sair
               mas eu sou demasiado duro para ele,
               e digo, fica escondido,
               queres arruinar-me?
               queres foder-me o
               meu trabalho?
               queres arruinar
               as minhas vendas de livros
               na Europa?
               há um pássaro azul no meu coração
               que quer sair
               mas eu sou demasiado esperto,
               só o deixo sair à noite
               quando todos estão a dormir.
               digo-lhe, eu sei que estás aí,
               por isso
               não estejas triste.
               depois,
               coloco-o de volta,
               mas ele canta um pouco lá dentro,
               não o deixei morrer de todo
               e dormimos juntos
               assim
               com o nosso
               pacto secreto
               e é bom o suficiente
               para fazer um homem chorar,
               mas eu não choro

               (.  .  .)

sábado, 5 de setembro de 2015

BUKOWZENNEGER & SCHWARZEKOWSKY

          
               No auge de sua maturidade, Schwarzenegger se mostra o intérprete perfeito para a mítica figura do Velho Safado do Charles Bukowski. Por vários motivos:
          - o Velho Conan está a cara e os cornos do Bukowski;
          - um é alemão, outro austríaco;
          - os dois têm nomes impronunciáveis, com dablius, kás e ypsilones demais;
          - ambos são feios prá caraca, grandalhões e abrutalhados;
          - Buk não conseguiria interpretar, nem em um filme sobre ele mesmo; Schwarzza não conseguiria escrever, nem um livro sobre si mesmo;
          - os dois fizeram a vida nos EUA;
          - um filme ruim sobre Bukowski, estrelado por Schwarzenegger, ainda seria melhor que um filme bom do Schwarzenegger estrelado por...Schwarzenegger;
rebloggy.com

          - porque sim!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

WHEN IT´S LOVE- VAN HALEN

                        Voz rascante de Sammy Haggar no comando da Van mais pesada da história dos transportes, em momento inspirado. Anos 80, amo vocês. (Ou será anos 90?)

Alta Fidelidade

                                                               www.vortexcultural.com.br
          Existe algo no universo mais idiota, estúpido e bobão que um adolescente do sexo masculino?
          Só se for um ser do sexo masculino que prolonga sua adolescência até os limites mais improváveis da idade adulta.
          Definitivamente não há nada mais idiota que um homem. E ser homem, com todas as incoerências. 
          Nick Hornby é o cara (estou abusando dessa expressão, talvez porque eu seja um idiota). Ele consegue retratar um idiota perfeito, sensível e deslocado no mundo.
          Não importa que seja o mundo do século passado. Não importa que seja dos anos 90. Não importa que as coisas que fazem parte desse mundo, como lojas de discos, bandas pop da época e amor romântico sejam peças de museu.
          Nick (depois que tive um cachorro com esse nome, ficou cada vez mais difícil levar a sério qualquer um que se chame Nick)Hornby sabe o que faz. Ele decerto usa elementos autobiográficos para construir seu Rob. E qualquer cara idiota, deslocado (não, Juvenal, não descolado, des-lo-ca-do) e apaixonado pode se identificar com ele, mesmo que o cenário seja outro. Sabe aquele negócio de perder o sono e se angustiar até a morte só ao imaginar que a pessoa que você ama pode ter estado com outro? Sim, cara-pálida, aquele velho, paranoico-ultrapassado nos dias de descartabilidade atuais e virtuais-sentimento de desespero, ciúme e loucura, que leva você a fazer tudo o que é possível fazer de forma errada e, assim, você detona aquilo que você ama por conta desses erros toscos e por que não repetir - idiotas-?
          Quero de novo ter, ler e reter esse livro. Parece que foi relançado, parece que há alguns quentinhos nas livrarias.Mas pode-se sempre apelar para os estantes virtuais da vida.
          Dane-se o filme. É bom, é legal, mas não é o livro.E o carinha parece ser bonitinho demais para a tarefa. Mas tem a cara de manso, de carneiro, de sensível e de idiota que o papel exige.Mas não é o livro.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

MANOEL DE BARROS - INVENTOR DE NADAS

                                                                   www.cuded.com

          Uma didática da invenção

I
Para apalpar as intimidades do mundo é preciso saber:
a) Que o esplendor da manhã não se abre com faca
b) O modo como as violetas preparam o dia para morrer
c) Por que é que as borboletas de tarjas vermelhas têm devoção por túmulos
d) Se o homem que toca de tarde sua existência num fagote, tem salvação
e) Que um rio que flui entre 2 jacintos carrega mais ternura que um rio que flui entre 2 lagartos
f) Como pegar na voz de um peixe
g) Qual o lado da noite que umedece primeiro.
etc.
etc.
etc.
Desaprender 8 horas por dia ensina os princípios.

II
Desinventar objetos. O pente, por exemplo.
Dar ao pente funções de não pentear. Até que
ele fique à disposição de ser uma begônia. Ou
uma gravanha.
Usar algumas palavras que ainda não tenham
idioma.

III
Repetir repetir — até ficar diferente.
Repetir é um dom do estilo.

IV
No Tratado das Grandezas do Ínfimo estava
escrito:
Poesia é quando a tarde está competente para dálias.
É quando
Ao lado de um pardal o dia dorme antes.
Quando o homem faz sua primeira lagartixa.
É quando um trevo assume a noite
E um sapo engole as auroras.

V
Formigas carregadeiras entram em casa de bunda.

VI
As coisas que não têm nome são mais pronunciadas
por crianças.

VII
No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá
onde a criança diz: Eu escuto a cor dos
passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não
funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um
verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta, que é a voz
de fazer nascimentos —
O verbo tem que pegar delírio.

VIII
Um girassol se apropriou de Deus: foi em
Van Gogh.

IX
Para entrar em estado de árvore é preciso
partir de um torpor animal de lagarto às
3 horas da tarde, no mês de agosto.
Em 2 anos a inércia e o mato vão crescer
em nossa boca.
Sofreremos alguma decomposição lírica até
o mato sair na voz .
Hoje eu desenho o cheiro das árvores.

X
Não tem altura o silêncio das pedras.

   

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Thanks!

                                                 cariocasdaneve.blogspot.com

                    Thanks, Mr. Pip!
                    Thanks!

MUAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAAAAA!!!!!

                                                             creepypastadark.blogspot.com

          E eis que sua paradoxal Eminência, senhor Ferdinando
Henriquecido Ardósia, ex-monarca de Pindorama por duas vezes, no alto de sua sapiência, experiência e profundo conhecimento das entranhas(êpa!) do pu-dê, vulgo poder, que aos 09 de março de 2015 dizia com todas as letras que ninguém ganharia NA-DA ao se retirar a presidenta Toura Sentada Roskoff Dilmavez Por Todas, agora pontifica com sua voz de tenor dos lábios flácidos, que a mandatária só exaltaria sua biografia ao renunciar!
          Esta peça de erudição e de profundos enigmas só será devidamente valorizada depois de alguns séculos de sérios e profundos estudos exegéticos, hermenêuticos e cabalísticos, para que a contradição seja esclarecida.
          Os meus parcos recursos linguísticos apontam para um texto de perfil humorístico, e me proponho a alertar aos nobre e Excelentíssimo Deputado Tiririca que se acautele com a concorrência desleal de amadores (talentosos, não se pode negar) a disputar espaço , cpmo um Uber dos palhaços, sinal da pós-modernidade e de que tudo que é sólido se desmancha no ar-cênico que envenena nossa anarcopolítica.
          Senhor Ferdinando, que verve, que humour, que espírito! Sugerir à Senhora Vana Youssef que renuncie por causa da(falta de) ética, da (excessiva)corrupção e da má gestão dos assuntos e dos interesses pátrios, é deveras hilariante!
          Há remédios potentes no mercado! Bons para aclarar a memória , como comer mortadela, amarrar lacinhos nos dedinhos mínimos e escrever bilhetinhos e colar na geladeira.
          Como este incauto blog poderia ser chamado de "O Perguntador", convém inquirir:
         - Como se aprovou a reeleição no Brasil?
         - Como se geriu a Petrobrás em tempos d´ antanho recente, em que plataformas petrolíferas soçobravam?
        - Como se privatizou as grandes estatais no Brasil?
        - Como eram : os juros, a taxa de desemprego, a produção industrial, o PIB, as taxas de crescimento econômico e as exportações em domínios avícolas?
          Que o Ceará é um celeiro de humoristas de truz, é por todos conhecido. Mas que vetustos ex-monarcas estejam se aventurando pelas veredas do humor desbragado e nonsense é algo novo e inusitado!
          Prova a devoção fanática do brasileiro em relação a Raul Seixas, de quem extraio a magnífica letra de METAMORFOSE AMBULANTE
Eu 
Prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo

Eu quero dizer
Agora o oposto do que eu disse antes
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo

Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor

Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator

É chato chegar
A um objetivo num instante
Eu quero viver
Nessa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo

Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor

Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator

Eu vou desdizer
Aquilo tudo que eu lhe disse antes
Eu prefiro ser
Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo
                                                     TOCA RAUUULLLL

terça-feira, 28 de julho de 2015

Clube do Filme- As Férias

                   Eis mais uma pretensiosa lista que ousa indicar ao leitor deste esporádico blog, horas agradáveis e estimulantes. 
"A Ilha do Adeus", com George Scott (talvez um Hemingway estilizado) é o tipo de filme que faz de um diretor um homem, mas que nem por isso lhe garante fortuna ou público. As sucessivas e amargas perdas que a vida inflige a um homem, os sucessivos adeuses e o vazio que fica, narrado sem pressa e com diálogos afiados. Holywood, anos 70, já uma máquina de fazer e de moer mitos, mas ainda demonstrava alma e inteligência.
           Ironia, crueldade, inocência e cinismo são os combustíveis deste drama tão denso quanto fútil. Glenn Close, John Malkovitch, Michelle Pfeiffer e Uma Thurman, ainda no auge da beleza, protagonizam uma sádica história de manipulação e de dor. Bastidores da nobreza, vileza e sordidez em doses estupefacientes recomendam o filme que pode surpreender no final. "Ligações Perigosas" é um exercício de estilo.

         Finaliza a lista, a trama densa e feita sob medida para Oscares, lágrimas e sentimentos edificantes, que levou Tom Hanks ao estrelato, mas que, injustamente não premiou Denzel Washington que vive o advogado que rouba a cena, com uma atuação vigorosa e loquaz. Filme pré-coquetel, anos de medo e incerteza por causa da Aids. Bruce Springteen acerta a mão na avassaladoramente melancólica música tema e faz de "Philadelphia" um filme que marca a década de seu lançamento.
Veria, com certeza contigo, capuccino em punho!

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Notícia

                                                             blogsbpjor.wordpress.com

     Um homem ..................................... ?
     afundou um olho..............................!
     de um pivete..................................."   "
     por causa de..................................... :
     um vidro quebrado..........................,
     um pen drive e  um dvd player.....,
     de um carro ........................           . . . 



terça-feira, 7 de julho de 2015

Decerto, os versos mais belos e poéticos da Língua Portuguesa

                                    "A sua
              saudade corta como aço de navaia
                                o coração
              fica aflito, bate uma, a outra faia
                       e os zóio se enche d´água
               que até a vista se atrapaia..."

sábado, 4 de julho de 2015

Feeling bad blues

                           The Blues ain´t nothing : is a good man
                           feeling bad... - in "Croosroads" scene.

Mortes

                                                           arenasrachidia.blogspot.com

                         A primeira vez que morri
                         foi quando te vi viva
                         aqui dentro

                         A segunda 
                         quando falaste outra língua
                         áspera, estranha, consonantal

                        A mais recente
                        quando te arrancaram
                        ataduras e sangue
                        armaduras
                        e esquecimento

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Psicologia do Estranho

                                                                  www.lascasblog.com.br


                              Não sou de peixes
                              nem de signo algum
                              não sou macrobiótico
                              nem zen budista
                              não pulo carnaval
                              quando é carnaval
                              por que não posso 
                              ser só igual a mim mesmo?

terça-feira, 30 de junho de 2015

Heaven- What is and what should be

                 

                            Num mundo de aridez, dureza e desencanto, um momento de delicadeza, melancolia e lirismo .

sábado, 27 de junho de 2015

Quase sem querer






                              Me disseram que você
                              (nem) estava (mais) chorando
                              e foi então que eu percebi
                              como lhe quero tanto
                              

terça-feira, 23 de junho de 2015

Gladiadores- dos idos anos de 1991- poema fóssil arqueológico jurássico

                                                            www.brasil247.com

                            Preparo-me para a guerra
                            gladiadores precisam de óleo
                            no corpo
                            e tem de estar nus como a verdade
                            vou te ver
                             e ouvir o que não quero

                             Que saiba o rei
                             que nas longínquas eras
                             em que saí à cata de liberdade
                             entre seios e pernas
                             pele quente e sorrisos
                             tudo o que fiz foi constatar
                             que quero os seus

sábado, 20 de junho de 2015

Cóccix

                                                    alcoolgel.wordpress.com

                            Vou te procurar como insano
                            escrever seu nome
                            com letra de criança na parede
                            deslizar pela tua espinha
                            morder seu cóccix
                            com desespero 
                            ensopar seu ouvido
                            com meu choro represado
                            abraçar seu corpo magro
                            te machucar com minha barba por fazer
                            levantar aquele seu vestido 
                            que eu te pedi pra pôr
                            pra não irmos pra lugar nenhum
                            aguentar seu mal humor de segunda de                                                                                                   [manhã
                            e devorar com fome o seu hálito de fome                              Que bom lembrar você
                            na noite fria do trovão da chuva forte
                            daquele dia que você dormiu lá em casa

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Rapadura Cult: O sonho

Rapadura Cult: O sonho: O Sonho (1932), de Pablo Picasso Não se sabe ao certo o que é o sonho, se bem que muita gente tenha tentado defini-lo. Explicação er...


Há imagens enigmáticas, arquétipos que, com sua força simbólica, nos incomodam, intrigam, roubam nossa visão, e nos tiram de nossa rotineira percepção de mundo.
Senhor Picasso, merci beaucoup!!!

quinta-feira, 11 de junho de 2015

CUIDE-SE BEM- Guilherme Arantes


                                                       Cuide-se bem, perigos há por toda a parte
                             E é bem delicado viver de uma forma ou de                                       outra

                             É uma arte como tudo
                             Cuide-se bem, tem mil surpresas a espreitar
                             Em cada esquina mal iluminada, em cada rua                              estreita
                                  Em cada rua estreita do mundo

                             Pra nunca perder esse riso largo
                             E essa simpatia estampada no rosto 
                             Cuide-se bem, eu quero te ver com saúde
                             E sempre de bom humor e de boa vontade                                         com tudo

terça-feira, 9 de junho de 2015

So(l)frência

                                                           www.digiforum.com.br


                                  Não é nem domingo
                                  tenho fiapos de carne nos dentes
                                  e há sol nos telhados mornos
                                  posso ir à rua
                                  mas não vou
                                  é estranho,
                                  você 'tá'  ficando em mim
                                  como fiapos de carne
                                  nos meus dentes
                                  

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Disse-onário Rides Again

                                                                pablo.de.assis.net.br
          Bodhisattva: caprino macho comedor de cânhamo! 

Do the Evolution


                Século XXI, Era da Informação, tecnologia a todo vapor, estado com alto IDH, um cidadão(?) autoconfiante, dono da verdade, humilha um haitiano que faz um trabalho que ele, o branco, bem nutrido e bem nascido (?) não faria nem que precisasse.
               Confesso que já caminhei por aquelas plagas, e presenciei diálogo de teor semelhante, preconceituoso e arrogante, em um ônibus. Senhora caucasiana, olhos claros e sotaque europeu de quem nasceu aqui, mas era filha de estrangeiros, apontava acintosamente para um nordestino, e bradava indignada:
              -"Olhem só, mais um deles, invadindo nossa cidade, roubando nossos empregos e vivendo sem licença no que é nosso."
               Já fui jovem e mais arrogante, e respondi pelo colega nordestino:
               - Se fôssemos seguir seu raciocínio, teríamos impedido seus antepassados que atravessaram o Atlântico quase mortos de fome, perseguidos pelo Adolfinho do Bigode, ou fugitivos de alguma limpeza étnica de se estabelecerem em nossa terra, que afinal de contas não é nossa, porque só a usamos enquanto vivos. Teríamos expulsado aqueles branquelos, esquálidos e de fala enrolada. Mas não, nós os acolhemos, e nos enriquecemos com sua presença, sua cultura e seu trabalho. Tenha a dignidade de se perceber bem vinda aqui nos trópicos, e respeitar o moço que pelo menos é descendente de alguém que nasceu aqui e dividiu o país com vocês!
               O frustrado "hater", robusto, agressivo e cagador de regras se esquece de que falou com um ser humano, que o serve com humildade e doçura, e tem o direito de viver e trabalhar no país que o acolheu e que decerto acolheu o antepassado do raivoso pitbull de passeata, quer seja português, espanhol, polonês ou do Turcomenistão.
                 O que nos leva a pensar que a pregação de ódio que nos divide enquanto país, e que é insistentemente divulgada pela mídia, está produzindo frutos que nos aproximam do pensamento xenófobo e preconceituoso dos skinheads ou da Klu-Klux-Klan.
                 Lamentoso, diria Toninho Cerezo!

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Pois é

                                                                www.detran.sc
                  
                               "Lá em São Luís, 
                                 a gente foi tão feliz..."
                                            (Pelas Capitais- Moraes Moreira)

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Um Rei e Sua Arte

                                                         tpapertowns.blogspot.com
                    O macilento, cadavérico e respeitável senhor acima, Stephen King, já demonstrou seu imenso e profundo talento em obras-primas do terror e do suspense, que saltaram das páginas de seus romances para, em adaptações mais ou menos certeiras, mais ou menos felizes, tornarem-se clássicos, como "Carrie, a estranha", ou "O Iluminado".
                    Este estapafúrdio blog decerto poderia intitular-se sem medo, "Delay", porque descubro e divulgo coisas importantes e preciosas com considerável atraso, como o fiz com a trilogia Millenium de Stieg Larsson.
                    Ao ver saltar o nome de King na capa, aproximei-me, e fui fisgado pelo livro "Sobre a Escrita" no qual ele divide conosco, meros e melros mortais, um pouco de sua vida e muito de suas técnicas de criação e produção.
                    É uma prosa fluida, coloquial e fascinante. Sua vida narrada com humor refinado e autoirônico é tema para um livro de vida própria, e desperta interesse por mais de suas memórias.
                    Porém , quem não tem o desejo e a curiosidade de espiar por cima do ombro de um mestre em pleno exercício de seu ofício?
                    Como não convivemos com muitos deles, quando um desce do Olimpo e reparte migalhas de sua arte, é como não só espiar, mas compartilhar desse ato e da maneira como ele se materializa.
www.mixliterario.com

                    Diversão, cultura pop, papo agradável e inteligente, humor sem autoindulgência e dicas certeiras para quem almeja escrever, mais que produzir páginas. Além , é claro, de criaturas estranhas, perturbadas e bizarramente doentias espiando a conversa pelas janelas e detrás dos móveis.
                    Longa vida ao rei!                    









terça-feira, 2 de junho de 2015

                                                          vidanet.org.br
          Não tenho saudade nenhuma
          do torto caminho sem graça
          que os meus pés andaram até o dia
          em que me encontro

          Estão reunidos 
          todos os cinzas desmaiados
          os dias mornos e compridos
          e uma lista espichada e interminável
          de coisas que eu não fiz

          Hoje, só quero ser melhor que já fui
          pois esses meus dias
          estão começando a ficar iguais
          e não ando conseguindo me lembrar
          de um em especial
          talvez porque não haja um em especial
          e entre morrer de medo de morrer
          e desfiar rosários de horas xerocadas
          só consigo escolher esse agora
          essa fala
          essa angústia chata
          estampada na cara

Ataduras

                                                           screencrush.com

          -Aí, pronto. Você encastelou-se. Vestiu a armadura! Que bom! Já não era sem tempo! E eu não sei se ainda há alguma cicatriz do lado de dentro dela, como eu tenho as minhas! E sabe aquela atadura sobre o sangue seco das feridas que te falei lá atrás, desde o começo? Acho que é o último pedaço dela que está saindo!



sexta-feira, 29 de maio de 2015

Rapadura Cult:" Raízes"- Um Conto de Mia Couto.

Rapadura Cult: Raízes: Uma vez um homem deitou-se, todo, em cima da terra. A areia lhe servia de almofada. Dormiu toda a manhã e quando se tentou levantar não...


Ao leres este conto, estarás a ler belo e lírico produto da lavra de Mia Couto.
Faça-o.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Uma canção pode ser mais que uma canção

           
                                     Às vezes, uma canção 
                                     é mais que só uma canção
                                     e um vestido
                                     é bem mais que um vestido

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Near the end

                     Era outono, as noites eram azuis, eu tinha a ilusão de que era eterno; estrelas escorriam e lacrimejavam o espelho polido e azulado do céu e eu não sabia nada, nada, nada dessa vida, e ouvia o senhor, Sir Gilmour, e era feliz como só os tolos, os jovens e os ignorantes sabem ser e isso, só isso me bastava.

Réquiem- mais um dos idos de 1994

                                                     lunallena.spaceblog.com. br


                                      Levantou-se
                                      escarrou
                                      sacudiu-se
                                      e espalhou lascas dela
                                      pela casa toda...














                                   

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Dos idos de 1994

                                                      jacarei.nova-acrópole.org.br
              (Retirada dos arquivos mortos dos idos de 1994)

                    Reneguei a poesia fácil
                    de estradas e redes
                    de uísques e vômitos
                    a poesia fóssil que me restou

                    troco as musas todas
                    por um colo de puta

                    por um telefonema seu,
                    sua filha da puta